fbpx

5 MOTIVOS PARA ASSISTIR A INCRÍVEL SÉRIE “ABSTRACT: A ARTE DO DESIGN”

  2 de março, 2022  Outros 

Abstract: the art of design é uma série documental da Netflix lançada em 2017, e que conta atualmente com duas temporadas, totalizando 14 episódios. Em cada episódio, que costuma ter cerca de 45min, um designer é convidado a apresentar seu trabalho, processo criativo e percepções sobre arte e design, explorando as relações entre seu trabalho e a sociedade.

Mas se engana quem pensa que a série seria interessante apenas para designers: é um convite para pensar o design como arte, e pensar a arte no geral.

Aqui vão alguns motivos pelos quais todos que se interessam por arte deveriam ver Abstract:

1 – Os artistas

Talvez os seus nomes não sejam tão familiares para não designers, mas muitas de suas obras são bem famosas.

A série conta com nomes como Ruth Carter, Tinker Hatfield e Es Devlin… Não reconheceu pelos nomes? Então aqui vai uma colinha: Ruth Carter é uma figurinista vencedora do Oscar de 2019 por seu trabalho no filme Pantera Negra; Tinker Hatfield é um designer de tênis da Nike, tendo trabalhado inclusive na famosa linha Air Jordan. Se ainda não for o bastante, Es é uma cenógrafa que já trabalhou projetando tours de artistas como: Lady Gaga, Muse, Beyoncé, U2, Pet Shop Boys e The Weeknd. Além disso, é sempre bom conhecer artistas novos!

2 – Conhecer o processo criativo e as visões sobre arte de quem a faz

Por abordar uma gama tão grande de artes, é esperado que diferentes visões de arte sejam apresentadas, e isso é riquíssimo: capas de revista, tênis, carros, brinquedos e até arquitetura! Como esses diferentes produtos são percebidos por aqueles que os produzem? No que os seus artistas pensam primeiro na hora de criar um produto novo? E como eles enxergam a sua arte e o impacto social da mesma?

Abstract leva os espectadores a experimentar como é estar na cabeça de um grande nome do design por alguns minutos, e isso pode ser um aprendizado incrível na medida que o contato com o design no cotidiano é constante.

Já imaginou que alguém teve que imaginar seu celular antes de ele existir?

3 – Nem tudo são flores

Todo mundo erra de vez em quando. Até os melhores, certo? Em muitos dos episódios os artistas abordam suas dificuldades e contam histórias de projetos que não deram muito certo ou não saíram como o planejado.

Conhecer o lado menos glamouroso do processo criativo, a dificuldade em planejar ou em ter ideias novas, pode ser muito interessante. E também como cada artista acaba achando sua própria forma de lidar com isso. Às vezes, olhar uma obra acabada dá a impressão de que quem criou aquilo está muito distante da nossa realidade. Abstract ajuda a entender como foi o caminho até aquela obra concluída, e que muitas vezes esse caminho não vem só dos acertos.

4 – Buscar inspiração

Ver o mundo pelos olhos de outras pessoas é sempre interessante, mas ver o mundo pelos olhos de artistas é inspirador: tanto pra quem já produz arte, quanto para quem tem vontade e ainda não começou.

Abstract é um bom empurrãozinho para quem tem vontade de desenhar ou escrever, mas tem aquela vergonha de parecer bobo. Mesmo que um episódio não tenha nada a ver com a arte do seu interesse, as ideias e opiniões dos artistas são bem provocativas em diversos momentos. Mas para além disso, conhecer a trajetória dos designers, perceber como cada um desenvolveu seu próprio estilo e lidou com as críticas e dificuldades torna a série motivadora, sem que ela fique com um tom motivacional galhofa.

5 – A direção e os aspectos técnicos

A direção da série fez um excelente trabalho em capturar a personalidade dos convidados, dando uma cara mais autoral para as edições e montagens. Tem uma identidade própria, mas parte dessa identidade é assumir parte da identidade dos convidados. Por conta disso, os episódios têm semelhanças, uma base, ao mesmo tempo que cada um segue um estilo diferente: alguns são mais “tradicionais”, e seguem uma linha mais expositiva, outros são mais irreverentes, e conseguem provocar o espectador mesmo enquanto assiste.

Um exemplo disso é a abertura do primeiro episódio da segunda temporada, em que Olafur Eliasson convida os espectadores para um experimento: observar como a luz projetada pela tela influencia no ambiente, inclusive recomendando que seu público pause o episódio para fazer isso.

Mesmo nos episódios mais “convencionais”, a forma como a direção conduz as cenas, a narração e o que é mostrado apresenta a personalidade dos designers para além do próprio trabalho. É também sobre suas perspectivas sobre a vida, carreira e o mundo a sua volta.

Dê uma chance à série, seja escolhendo um tipo de design que desperte mais sua curiosidade, um artista que você já conheça, ou aleatoriamente. Abstract leva no seu nome o conceito que norteia boa parte das discussões, o abstrato das perguntas e das respostas levantadas (e da própria arte do design), e lida com isso de uma forma muito artística e coerente, permitindo que seu público entenda o que foi apresentado, se identifique e se sinta provocado a refletir sobre seus próprios “abstratos”.

Via: Bruna Serpa

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top